O que fazer em Roma: roteiro completo

por | jul 28, 2018 | Itália

Roma é uma das minhas cidades preferidas do mundo (das que já visitei, claro) e, contando com todas as idas e vindas, já fomos quatro vezes para lá. Eu já tinha um post com todas as dicas de quando eu visitei Roma pela primeira vez, em 2014, mas decidi atualizar o conteúdo e fazer um guia completo da capital italiana.

Como ir do aeroporto para o hotel

Em 2014, nunca tínhamos ido à Roma e não sabíamos quais eram as opções de transporte do aeroporto para o nosso hotel, como era o nosso primeiro destino e não queríamos perder tempo, chamamos um Uber. Foi super cômodo e a cobrança foi direto para o cartão cadastrado no aplicativo, mas confesso que não é a opção mais barata. É um pouco mais caro que táxi, então se você estiver disposto é uma boa pedida, mas se você está pensando em economizar existem muitas outras formas melhores de chegar no destino final! Depois de conhecer um pouco melhor como funciona a cidade, descobrimos que existe um trem chamado Leonardo Express, que liga a estação Roma Termini e o aeroporto Roma Fiumicino em apenas 32 minutos, com partidas programadas a cada 15 minutos (a cada 30 minutos durante determinados períodos de tempo).

Valores aproximados do aeroporto até o centro da cidade:

  • Uber: 60€.
  • Táxi: 50€.
  • Leonardo Express: 14€, valor único para apenas um trecho.
  • Transfer: 15€ por pessoa, dependendo do número de pessoas vale a pena, pois param na frente do hotel.

Onde se hospedar em Roma

Roma é uma das cidades mais caras da Itália, então tudo depende do seu orçamento. Eu não sou mochileira e nem gosto de passar perrengue, mas também não tenho dinheiro para sair esbanjando, então gosto de dar dicas com um bom custo benefício para quem ama viajar sem abrir mão da qualidade. Na hora de planejar a sua hospedagem você precisa levar em consideração vários fatores: o seu orçamento, claro; localização; transporte; tempo de deslocamento; apartamento ou hotel.

Todas as vezes que fomos para Roma optamos por ficar em B & B (Bed and Breakfast). Hotéis legais e bem localizados são bem mais caros e como nós iríamos passar o dia inteiro fora, achamos melhor economizar na hospedagem.

Da primeira vez, alugamos um quarto no bairro Tiburtino, não era muito central então tínhamos que usar o transporte público todos os dias. Recomendo bairros mais afastados para quem está indo com pouco dinheiro, pois quanto mais perto do centro, mais caro. Mas não esqueçam de colocar no papel para ver se vale a pena o custo e o tempo com deslocamento.

Da segunda vez que fomos, nós ficamos perto do Vaticano e a experiência foi bem melhor. Além de ser uma região mais bonita e com mais opções de passeios e restaurantes, também era bem mais fácil de chegar até o Centro Histórico e até o Trastevere, a região mais descolada e boêmia da cidade e diga-se de passagem, a minha preferida.

Da última vez que fomos, nos hospedamos no Trastavere e com certeza foi a melhor opção! Conseguimos ir a pé ou de tram para todos os pontos turísticos. Também estávamos a minutos de distância do centrinho do Trastevere – o melhor lugar para passear, comer bem e tomar uns bons drinks.

Clique aqui para reservar sua hospedagem pelo Booking.com

Clique aqui para reservar sua hospedagem pelo Airbnb

Como se locomover por Roma

A cidade é por si só uma grande atração, o maior museu ao céu aberto do mundo. Por onde você anda tem história, então eu recomendo que você, sempre que possível, explore Roma a pé. Quando as distâncias forem muito grandes ou o tempo muito curto, aproveite para usar transporte público como metrô, trem ou ônibus.

Valores aproximados do transporte público em Roma:

  • BIT (biglietto integrato a tempo): € 1,50 e é válido por 100 minutos a partir do momento que convalida.
  • BIG (biglietto integrato giornaliero): € 7,00 por 24 horas e € 12,50 por 48 horas, número ilimitado de vezes dentro da cidade.
  • BTI (biglietto turístico integrato): € 18,00 e é válido por 3 dias.
  • CIS (carta integrata settimanale): € 24,00 e vale por 7 dias.

Roma Pass

O Roma Pass é o passe de atrações e transportes que permite furar a fila de diversas atrações e usar o transporte público na cidade por três dias (exceto o Leonardo Express). Os cartões custam €28 (a versão de 48 horas) e €38,50 (a versão de 72 horas). Estão à venda nos postos de informação e em todos os pontos turísticos da cidade. Também existem postos nos aeroportos Fiumicino, Ciampino e na estação de trem Termini.

O Roma Pass de 72 horas vale a pena se é a sua primeira vez em Roma. Se você colocar no papel, só a entrada para as principais atrações como o Fórum Romano, Coliseu e Palatino (€14), mais a entrada da Galleria Borghese (€15), mais o bilhete de transporte para três dias (€16,50) já ultrapassa o valor do passe. E, além da economia, a maior vantagem é poder escapar das filas da bilheteria do Coliseu, poupando horas embaixo do sol para comprar um ingresso.

O que fazer em Roma

Se você nunca foi para Roma, é claro que você PRECISA fazer TODOS os passeios turísticos. A cidade é um prato cheio para quem gosta de história, cultura, arquitetura e gastronomia. Vou passar aqui uma lista do que você não pode, DE JEITO NENHUM, deixar de ver, mas não se prenda ao meu roteiro. Eu acho muito importante conhecer tudo que o lugar tem a oferecer, mas também acho essencial você explorar sozinho e fazer a sua própria imersão.

A maior parte das atrações turísticas de Roma fica no Centro Histórico e dá para fazer tudo a pé. O ideal é pegar horários estratégicos nos pontos mais famosos para evitar tumulto de turistas. Com o Roma Pass você fura fila e entra direto, aproveite para conhecer o Coliseu logo cedo, com certeza vai ser o passeio mais demorado.

Coliseu e Fórum Romano

É um dos monumentos mais famosos do mundo e atrai milhões de turistas. O símbolo do Império Romano foi palco para combate entre gladiadores e batalhas com animais e recebia aproximadamente 73 mil pessoas por “show”. Se você não tiver o Roma Pass, o seu ingresso custará €12 (a inteira) e dá direito à entrada no Coliseu, no Monte Palatino e no Fórum Romano. Reserve o dia para fazer essas três atrações.

Collect moments, not things. ❤️ #feedyoursoulemroma #vidareal #MundoAmaro

A post shared by Renata Schaitza (@renataschaitza) on

Pantheon

O templo de todos os deuses fica bem no centro da cidade, mais especificamente na praça da Rotonda. A visita não costuma demorar muito, mas é melhor chegar cedo se quiser evitar a multidão. A atração abre de segunda a sábado, das 8h30 às 19h30, e aos domingos, das 9h às 18h, a entrada é gratuita. Aproveite para tomar um drink ou um sorvete em um dos estabelecimentos da praça, enquanto observa e admira a magnitude do Pantheon.

Fontana di Trevi

Um dos pontos turísticos mais famosos da cidade e por isso está sempre cheia de turistas. A atração já foi cena de centenas de filmes e muita gente segue a tradição de fazer um pedido e jogar uma moedinha na água. Diz a lenda que jogar a moeda garante que o visitante retorne à cidade. Eu desconfio um pouco dessa crença, pois na primeira vez que fui a fonte estava fechada para reforma e depois disso eu já voltei mais 3 vezes.

Piazza Venezia

Roma é repleta de praças, mas essa com certeza é uma das mais famosas. Fica no início (ou final) da Via del Corso e é ponto de partida (ou chegada) para quem quer conhecer o Centro Histórico. Fica a 5 minutos de distância do Coliseu e de vários outros pontos turísticos, com certeza você vai acabar passando por lá. Bem ao lado da praça, está o Palácio Veneza, uma das primeiras construções renascentistas erguidas na Itália. Entre a praça e o monte Capitólio, você encontra o imponente monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II. Na minha opinião, uma das construções mais bonitas de Roma.  

Piazza Navona

Erguida no local onde costumava ser o estádio Circus Agolanis, a praça é super ampla e abriga três fontes, sendo a maior e mais famosa a Fontana dei Quattro Fiumi. A fonte criada por Bernini foi inaugurada em 1651 e representa os maiores rios do mundo: o Nilo, o Ganges, o Danúbio e o Rio de la Plata. É uma delícia passear pela região e se perder pelas ruelas laterias.

Villa Borghese e Galeria Borghese

O Parque Borghese é considerado um dos parques mais bonitos da Europa, combinação perfeita entre natureza e arte. Dentro do parque fica a Galeria Borghese, um dos museus mais importantes de Roma. Contém pinturas de artistas como Rafael, Tiziano ou Caravaggio. O Museu funciona das 9:00 às 19:00 horas, sendo a última entrada 17:00. O ingresso está incluso no Roma Pass, mas a reserva é obrigatória e deve ser feita pelo site (clique aqui para reservar). Separe em torno de 1 a 2 horas para visitar a Galeria Borghese. O ingresso custa € 11.

Piazza di Spagna

Depois de visitar a Galeria, volte para o parque e siga pela Viale Trinitá del Monti até a Piazza di Spagna. A praça está sempre cheia de gente, turistas e moradores locais. Durante o verão, fica quase impossível de andar por lá. Os arredores da praça são um paraíso para quem gosta de compras (não é o meu caso), pois as grifes mais famosas do mundo como Valentino, Fendi e Gucci estão lá. Vista linda da cidade, vale a pena subir as escadarias!

Trastevere

Você que ainda não conhece Roma, sabe quando você ve algum filme sobre a cidade? Restaurantes e bares com mesas nas ruas, música na praça, pessoas andando de lambreta. É no Trastevere. O bairro tem a “cara de Roma” e o clima é delicioso. Separe a tarde para passear pela região, comer uma pizza na rua, tomar um Apperol no happy hour e depois sair jantar em um dos deliciosos restaurantes da região.

Vaticano

Vaticano é a sede da Igreja Católica e uma cidade-Estado soberana, que fica localizada em uma região murada dentro da cidade de Roma. É o menor Estado do mundo, com aproximadamente 1.000 habitantes, e é lá que se encontra a Basílica de São Pedro e a famosa Cappella Sistina pintada por Michelangelo. Se você quer fazer o passeio turístico completo recomendo que compre os tickets com antescedência. Eu não fiz isso, então só dei um passeio pela parte externa, não entrei para conhecer e fazer o tour guiado.

Confiram abaixo um pouco da nossa última viagem por Roma:

Renata é a criadora do blog, tem 27 anos e mora em Curitiba. É formada em Publicidade e Propaganda, pós-graduada em Marketing Digital e gosta de escrever sobre viagens, estilo de vida e veganismo . Tenta sair sempre da zona de conforto e das rotas turísticas, o objetivo é explorar cada cultura e dar dicas legais para pessoas que se identificam. Criou o blog com o objetivo de inspirar as pessoas, compartilhando fotografias lindas, dividindo seus hábitos e dando dicas de lugares que precisam ser conhecidos.

Relacionados

Comments

comments